Autor: Villa

Rogéria Nantes Bolsonaro, parece preocupada com a reforma da Previdência e entra com pedido para a aposentadoria.

Por que Rogéria Nantes Bolsonaro não espera a reforma da Previdência com o novo sistema de capitaliazação?

Bolsonaro quer o caos?

É inegável o despreparo de Jair Bolsonaro para o exercício da Presidência da República. A infantilização de questões complexas é uma demonstração que não consegue elaborar um raciocínio abstrato. Como defesa opta pela desqualificação das questões intelectuais. Se refugia nas redes sociais. Lá se sente seguro. Gosta de banalizar os grandes problemas nacionais. Escolhe explicações simplistas. Prefere o mundo da ignorância. Isto pode explicar o ódio ao livre pensar. Flerta com o autoritarismo. Mas não consegue uma elaboração teórica. Fala em ligação direta com o povo. Como?

É preciso buscar uma concertação para uma saída da crise econômica e política.

Uma saída rápida da crise para não perdermos o ano de 2019.

Pergunte ao Villa #12

Mande sua pergunta no Twitter com a #PergunteAoVilla.

Janaína Pascoal (deputada com mais de 2 milhões de votos) questiona “faculdades mentais” do presidente Bolsonaro.

“Janaína Paschoal: “Saiam da bolha. Vocês são muito parecidos com petistas. Não tem nada a ver com toma lá dá cá”.
O parlamento cansou do ‘bate e alisa’ de Bolsonaro.

Em vez de jogar água na fogueira, Bolsonaro joga gasolina.

O fascismo é caracterizado pela relação direta entre o Executivo e o Povo. Não há mediação do Parlamento e do Judiciário.A crise tem endereço: o Palácio do Planalto.Enquanto o Executivo tenta estigmatizar a política, o Congresso e a impresa, as reformas caminham a passos lentos e 1/4 da população ativa está desempregada.Não se fala apenas de impeachment, mas também de depressão econômica e parlamentarismo.

Na pior semana do governo já se fala em impeachment a la Paraguai:rápido.

E esta semana, o que vai acontecer?O mercado não suporta mais o caos político e a má execução do exercício da Presidência.Fatos que estão esquentando a crise política:- Viagem a Dallas com agenda vazia e a recusa (depois da de Nova York) de mais um prefeito, desta vez, de Dallas em nao receber o presidente Bolsonaro.- Cortes na Educação e a desastrosa presença de Weintraub na Câmara dos Deputados.- Grande manifestação por todo o Brasil contra os cortes na Educação. O PT tentou instrumentalizar a manifestação, mas é muito claro que não era uma manifestação de petistas e sim de cidadãos brasileiros indignados com um governo que penaliza a Educação.- Acusações graves do Ministério Publico contra o filho do presidente, então deputado e hoje senador, Flavio Bolsonaro: organização criminosa, lavagem de dinheiro e peculato ( desvio de dinheiro puúblico).Além da relação de Flávio Bolsonaro com Fabrício de Queiroz.- Reforma da Previdência caminha a passos lentos- Queda da bolsa e a alta do dólar

Artigo do Prof. Villa na Istoé:”Presidente Bolsonaro?”

O improviso tomou conta do Palácio do Planalto. Não causará estranheza se em um banquete oficial for oferecido pão com leite condensado. Estamos no momento do vale-tudo. Porém, mostras de cansaço são evidentes. O Itamaraty virou sucursal de Steve Bannon. O extremista de direita tomou a Casa de Rio Branco. Hoje, a política externa é determinada por uma organização estrangeira a serviço de uma ideologia exótica e que coloca em risco a segurança nacional. Algo que nunca ocorreu na história da República.O caos político poderá levar à derrota da reforma da Previdência.

Não existe nenhuma semelhança entre Jânio Quadros e Jair Bolsonaro.

Começando pela oratória: Jânio era excelente orador, enquanto Bolsonaro é péssimo.Jânio QuadrosBrilhante orador, com conhecimento da língua portuguesa e da História do Brasil. Carreira política de êxito tendo sido vereador, deputado estadual, deputado federal, prefeito, governador e presidente.Como governador de  São Paulo, conseguiu fazer um excelente governo além de eleger seu sucessor, Carvalho Pinto.Quando presidente, Jânio Quadros, nomeou para o Ministério das Relações Exteriores, o brilhante Afonso Arinos de Melo Franco formulador da Política Externa Independente.Sobre Jânio Quadros e os acontecimentos de 25 de agosto de 1961, recomendo o excelente livro: “A renúncia de Jânio” de Carlos Castelo Branco.Jair BolsonaroSempre foi do baixo clero, sem nenhuma experiência na administração pública, além de ser péssimo orador.

Weintraub e a sessão de ontem: mais um dia ruim politicamente para o governo.

A crise tem endereço: é no Palácio do Planalto.