Meu artigo na Istoé: “O Brasil pós-Bolsonaro”.

Independentemente do que possa ocorrer com o governo Bolsonaro, o ideal seria que terminasse, constitucionalmente, o mais rápido possível, não é exagero pensar como será o Brasil após passar por esta tormenta destrutiva, a maior das últimas três décadas. O País terá de fazer um balanço: o que aprendemos com tanta tensão política, econômica e social. Demos um grande salto para trás.Estamos sem rumo na economia e teremos de encontrar, urgentemente, um caminho que aproveite as nossas potencialidades e que permita retomar o crescimento em meio a mais grave crise econômica da história republicana. Não será tarefa fácil. Perdemos muito tempo com discussões inúteis e oportunidades foram desperdiçadas. Em escala mundial deixamos de ser um porto seguro para investimentos, isto em um mundo a cada dia mais competitivo. Foi-se o tempo que  o Brasil era um dos lugares preferenciais para receber capitais — especialmente os vinculados diretamente à produção. Na época a Guerra Fria estava vedado ao grande capital internacional boa parte do mundo, como a União Soviética, os países satélites da Europa oriental, a China, o sudeste asiático e mesmo a África, ainda vivendo o processo independentista e todas as suas mazelas. O panorama, hoje, é muito distinto. É necessário oferecer estabilidade política e boas oportunidades de negócio, tudo o que, neste momento, não temos.

A reconstrução terá de ser realizada olhando para os mais afetados pela crise. O Brasil pós-pandemia estará mais pobre do que antes da chegada do coronavirus. Vai piorar não só o produto interno bruto — a recessão poderá chegar, de acordo com o FMI, a 9% — como os índices de empregabilidade, de concentração de renda. A massa salarial vai ser brutalmente reduzida. Milhares de empresas vão fechar. Somos, hoje, um Estado-pária na comunidade internacional. Ao isolamento político já está sendo agregado o componente econômico.

Nossas exportações também encontrarão problemas. Poderemos ser considerados internacionalmente um País de infectados — Trump foi o primeiro a jogar esta pecha. Os episódios dos últimos dias sobre  as exportações de carne para a China fazem parte deste processo. E as contas públicas, como ficarão? Vão ser mantidos os auxílios e programas emergenciais? As micro, pequenas e médias empresas vão ser salvas? Vai aumentar a carga tributária? São muitas perguntas, todas sem respostas. Mas uma coisa é certa: com este governo não poderemos enfrentar e vencer a crise mais grave da nossa história.

 

3 comentários sobre “Meu artigo na Istoé: “O Brasil pós-Bolsonaro”.

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.