Categoria: Istoé

Capa da Istoé: “O incapaz e a crise”.

Capa da Revista ISTOÉ: ” O presidente Bolsonaro dá show de loucuras e de falta de liderança. Menospreza a pandemia, atribui […]

Bolsonaro: o começo do fim?

Jair Bolsonaro é uma ameaça concreta ao Brasil, às nossas instituições, à recuperação econômica e, agora, à saúde pública. É necessário urgentemente algum tipo de ação legal para que esta escalada seja interrompida. Nos últimos três meses, Bolsonaro atacou sistematicamente os valores consubstanciados na Constituição de 1988. Ora era a liberdade de imprensa e a virulência verbal e covarde contra as jornalistas, ora ao transformar um torturador, responsável durante quatro anos pelo DOI-CODI de São Paulo, onde dezenas e dezenas de brasileiros foram torturados e assassinados, em herói nacional. E ainda apoia declarações reacionárias dos seus ministros, especialmente o da Educação. Mas nos últimos dias ultrapassou todos os limites legais, Ele apoiou e participou de uma manifestação claramente golpista recheada de cartazes pedindo o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal e a instalação de uma ditadura militar. E mais: colocou em risco as dezenas de pessoas com quem teve contato, descumprindo as determinações do seu próprio ministro da Saúde e sinalizando para a população que as medidas preventivas são exageradas, favorecendo a expansão de um surto com gravíssimas repercussões no campo da saúde pública e com efeitos terríveis na economia.

“Chega de radicalismo”. Meu artigo na Istoé.

Marco Antonio Villa O fracasso das manifestações do último dia 9 demonstra que o Brasil está cansado de radicalismo. O […]

Meu artigo na Istoé : “O Brasil vai acordar?

A inevitável libertação de Lula vai, inicialmente, favorecer o jogo de Bolsonaro. Ele necessita da polarização com o PT. Vive disso. Contudo, juntamente com a reação da sociedade civil frente aos desmandos governamentais, o Brasil poderá acordar, reagir, romper com os extremismos de petistas e bolsonaristas. Assim, vai caminhar para construir uma alternativa democrática, moderna, popular e nacional.

Meu artigo na Istoé: “O preço da polarização.”

Despreparado, sem experiência administrativa, com pífia base partidária, desconhece os objetivos que pretende atingir na sua gestão. Não tem um projeto de governo. Mesmo assim — e não é de hoje — proclama aos quatro ventos que pretende ser candidato à reeleição. Isto faz com que tenha de manter um clima de constante polarização. Desta forma evita o debate no campo das ideias e despolitiza o enfrentamento com as oposições. Esta estratégia tem prazo de validade. Dá certo fôlego no início. Mesmo assim as pesquisas mostram que a receptividade popular tem sido negativa: 55% dos brasileiros não confiam no presidente — isto em apenas nove meses de governo, caso único desde a redemocratização.

Meu artigo na Istoé: “Bolsonaro e a ingovernabilidade.”

É imprescindível para que o Brasil tenha condições de enfrentar — e vencer — os graves problemas nacionais a conversão de Jair Bolsonaro à democracia. Ele tem de encontrar o seu Caminho para Damasco. Os ataques sucessivos às instituições poderão conduzir o País para uma grave crise política com terríveis consequências econômicas. É fundamental que as forças políticas, as lideranças empresariais e a sociedade civil tomem a iniciativa de dar um brado de alerta antes que seja tarde.

Meu artigo na Istoé: “O isolamento de Bolsonaro”.

O presidente Bolsonaro tem enorme dificuldade para conviver com a democracia. Não faz questão de esconder. Em um cenário de tensão crescente vai, com certeza, pressionar os meios de comunicação. Usará de todos os recursos possíveis. Jornalistas vão ser ameaçados e as redes sociais deverão funcionar abertamente como braços do autoritarismo neofascista, espalhando mentiras. É esta a sua forma de agir. Deverá atacar o Congresso Nacional e as cortes superiores de Justiça. Contudo, os maus resultados econômicos vão limitar sua ação. A radicalização vai produzir mais isolamento. Sem apoio popular, restará sonhar com uma intervenção militar. Vai perder. As Forças Armadas não vão embarcar em nenhuma aventura política.

Capa da Istoé.

Patriotismo à la Collor. Presidente Bolsonaro convoca população a vestir verde e amarelo e movimento estudantil sugere preto como protesto, […]

Artigo do Prof. Villa na Istoé: “Bolsonaro é a crise.”

Bolsonaro ataca gratuitamente o virtual presidente da Argentina, nosso terceiro parceiro comercial. Em vez de focar no aumento das exportações do agronegócio, desmoraliza as ações de proteção da Amazônia, desqualifica os organismos de controle do meio ambiente, despreza e recusa recursos para a preservação das nossas florestas, ataca os dirigentes de países amigos e grandes importadores de nossos produtos, principalmente os europeus. Busca a todo preço ser um serviçal dos interesses imperialistas norte-americanos, abrindo um contencioso, em médio prazo, com a China, nosso principal parceiro comercial. Internamente, ele não consegue desenhar nenhum plano de reativação econômica. Para esconder a incompetência, vocifera contra seus adversários, radicalizando o discurso até assumir, em alguns momentos, ares neofascistas.

Artigo do Prof. Villa na Istoé: “Bolsonaro cada vez mais autoritário”.

Bolsonaro vai continuar testando os limites das instituições. Pretende desmoralizá-las. Faz parte do seu projeto, ainda que rudimentar, destruir o Estado democrático de Direito. Sob essas ruínas, ele pretende erguer seu autoritarismo neofascista. Próximo de um delírio, essa iniciativa dificilmente irá obter êxito, ainda que no caminho leve o País à mais grave crise da história republicana.
O seu projeto é destruir a democracia. Pego em ilegalidades, assume ares de vítima.