Categoria: Istoé

Em sua demissão, Moro acusa Bolsonaro de vários crimes.

Depois das revelações de Moro, resta a Bolsonaro dois caminhos: a renúncia ou tentar resistir (solitariamente, sem bases políticas e sociais) a um processo de impeachment. O Brasil não pode suportar a possibilidade de, até 31 de dezembro de 2021, ter à frente do Executivo Federal alguém acusado de vários crimes contra a República.

Capa da Istoé

“Ministros do STF, cúpula do Congresso e até militares de alta patente reagem aos devaneios do presidente Bolsonaro, que perde […]

O coronavírus acordou o Brasil.

Foi necessário o coronavírus para o gigante acordar. Agora a tarefa é impedir que o desastre se espalhe. Infelizmente teremos de conviver com milhares de mortos e com a recessão econômica, mas podemos evitar males maiores se nos unirmos. As autoridades da saúde pública estão trabalhando bem e a maioria dos governadores estão seriamente comprometidos em minimizar os terríveis efeitos econômicos. A população entendeu que juntos podemos muito. Vamos sair maiores da crise do que entramos. Mas temos uma tarefa essencial a cumprir: Bolsonaro não pode continuar na Presidência da República.

Capa da Istoé: “O incapaz e a crise”.

Capa da Revista ISTOÉ: ” O presidente Bolsonaro dá show de loucuras e de falta de liderança. Menospreza a pandemia, atribui […]

Bolsonaro: o começo do fim?

Jair Bolsonaro é uma ameaça concreta ao Brasil, às nossas instituições, à recuperação econômica e, agora, à saúde pública. É necessário urgentemente algum tipo de ação legal para que esta escalada seja interrompida. Nos últimos três meses, Bolsonaro atacou sistematicamente os valores consubstanciados na Constituição de 1988. Ora era a liberdade de imprensa e a virulência verbal e covarde contra as jornalistas, ora ao transformar um torturador, responsável durante quatro anos pelo DOI-CODI de São Paulo, onde dezenas e dezenas de brasileiros foram torturados e assassinados, em herói nacional. E ainda apoia declarações reacionárias dos seus ministros, especialmente o da Educação. Mas nos últimos dias ultrapassou todos os limites legais, Ele apoiou e participou de uma manifestação claramente golpista recheada de cartazes pedindo o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal e a instalação de uma ditadura militar. E mais: colocou em risco as dezenas de pessoas com quem teve contato, descumprindo as determinações do seu próprio ministro da Saúde e sinalizando para a população que as medidas preventivas são exageradas, favorecendo a expansão de um surto com gravíssimas repercussões no campo da saúde pública e com efeitos terríveis na economia.

“Chega de radicalismo”. Meu artigo na Istoé.

Marco Antonio Villa O fracasso das manifestações do último dia 9 demonstra que o Brasil está cansado de radicalismo. O […]

Meu artigo na Istoé : “O Brasil vai acordar?

A inevitável libertação de Lula vai, inicialmente, favorecer o jogo de Bolsonaro. Ele necessita da polarização com o PT. Vive disso. Contudo, juntamente com a reação da sociedade civil frente aos desmandos governamentais, o Brasil poderá acordar, reagir, romper com os extremismos de petistas e bolsonaristas. Assim, vai caminhar para construir uma alternativa democrática, moderna, popular e nacional.

Meu artigo na Istoé: “O preço da polarização.”

Despreparado, sem experiência administrativa, com pífia base partidária, desconhece os objetivos que pretende atingir na sua gestão. Não tem um projeto de governo. Mesmo assim — e não é de hoje — proclama aos quatro ventos que pretende ser candidato à reeleição. Isto faz com que tenha de manter um clima de constante polarização. Desta forma evita o debate no campo das ideias e despolitiza o enfrentamento com as oposições. Esta estratégia tem prazo de validade. Dá certo fôlego no início. Mesmo assim as pesquisas mostram que a receptividade popular tem sido negativa: 55% dos brasileiros não confiam no presidente — isto em apenas nove meses de governo, caso único desde a redemocratização.

Meu artigo na Istoé: “Bolsonaro e a ingovernabilidade.”

É imprescindível para que o Brasil tenha condições de enfrentar — e vencer — os graves problemas nacionais a conversão de Jair Bolsonaro à democracia. Ele tem de encontrar o seu Caminho para Damasco. Os ataques sucessivos às instituições poderão conduzir o País para uma grave crise política com terríveis consequências econômicas. É fundamental que as forças políticas, as lideranças empresariais e a sociedade civil tomem a iniciativa de dar um brado de alerta antes que seja tarde.

Meu artigo na Istoé: “O isolamento de Bolsonaro”.

O presidente Bolsonaro tem enorme dificuldade para conviver com a democracia. Não faz questão de esconder. Em um cenário de tensão crescente vai, com certeza, pressionar os meios de comunicação. Usará de todos os recursos possíveis. Jornalistas vão ser ameaçados e as redes sociais deverão funcionar abertamente como braços do autoritarismo neofascista, espalhando mentiras. É esta a sua forma de agir. Deverá atacar o Congresso Nacional e as cortes superiores de Justiça. Contudo, os maus resultados econômicos vão limitar sua ação. A radicalização vai produzir mais isolamento. Sem apoio popular, restará sonhar com uma intervenção militar. Vai perder. As Forças Armadas não vão embarcar em nenhuma aventura política.