Categoria: Jornal da Cultura

Hoje (11/09) estarei no Jornal da Cultura às 21:15.

Rio de janeiro teve quatro governadores presos!

Cinco deputados estaduais foram diplomados na cadeia. 3/4 do Tribunal de Contas do estado: despachos na prisão. Tem de cumprir […]

Grande parte da produção científica é feita nas universidades brasileiras.

Lava Jato: os recursos desviados devem voltar para a Petrobras.

O Ministro Público é independente.

Bolsonaro não leu a Constituição.

Sérgio Moro e o projeto de Lei de Abuso de Autoridade.

O ministro da Justiça está cada vez mais isolado.

Protestos se intensificam em Hong Kong: a convivência da ditadura e do crescimento econômico.

Como é possível conviverem crescimento econômico, acesso à informação e ditadura?
Quando a democracia na China será possível?

Bolsonaro usa nacionalismo para mascarar entreguismo das reservas indígenas para mineradoras americanas.

Entreguismo e nepotismo.

O próprio presidente afirmou que seu filho, Eduardo Bolsonaro, como embaixador em Washington facilitaria a entrega das terras das reservas indígenas ianomâmis para as mineradoras americanas.
Bolsonaro é seletivo na hora de entregar o Brasil: ele prefere os Estados Unidos.
A política entreguista e antinacionalista de Bolsonaro entra em atrito com a tradição nacionalista do Exército brasileiro.
O presidente foi o mentor intelectual das queimadas na Amazônia: desqualificou INPE, IBAMA e ONG’s.
“O Brasil conseguiu ao longo deste século construir uma imagem – com base em ações eficazes – positiva sobre a exploração da Amazônia. Não foi tarefa fácil. Contudo, em apenas alguns dias Jair Bolsonaro jogou tudo abaixo. Desconsiderou o trabalho científico na região, atacou o INPE – instituição científica de reconhecimento internacional -, desprezou a ação do IBAMA, transformou as ONGs que atuam na Amazônia em instrumentos de interesses estrangeiros (e responsáveis pelas queimadas!!), recusou a receber os recursos da Fundo Amazônia e incentivou a ocupação das terras indígenas por mineradores. Foi a maior ofensiva contra a Amazônia neste século. Não apresentou nenhuma prova sobre quaisquer das acusações. Usou e abusou de fake news. Transformou o nosso país em uma ameaça ao meio ambiente mundial ao associar o Brasil à devastação da Amazônia. Não se sabe quando deverá terminar a crise. Tudo indica que o período mais turbulento deva estar próximo do fim. Mas o dano à nossa imagem é irreparável.” Marco Antonio Villa.

Hoje 31/08 estarei no Jornal da Cultura às 21:15.

Assista na íntegra participação do Prof. Villa na TV Cultura.