Não aos extremismos!

Para o Brasil construir a sua democracia é necessário que acerte suas contas com o passado.
É inadmissível um ato de tortura feito pelo Estado, assim como um ato terrorista.
Em uma democracia não existe conciliação com torturadores,e terroristas.

Quando o deputado Jair Bolsonaro enalteceu o torturador Ustra, chefe do DOI-CODI, na ocasião em que a Câmara autorizou o julgamento do impeachment de Dilma, ele deixou os brasileiros de bem enojados e fez apologia da tortura e do extermínio.
Jair Bolsonaro trouxe a luz uma extrema direita nazista.

Nazismo além de defender o anti-semitismo, que é gravíssimo, é também uma forma de comportamento pessoal, de relacionamento político, de ação política e de visão de mundo.
Portanto, quando Bolsonaro transforma um torturador e assassino em herói, incentiva a violência e abre campo para os facínoras.

Deu no G1:”Ossada de desaparecido político da ditadura é identificada quase 50 anos após morte.”

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.