Jair Bolsonaro, o 7 de setembro, a Bienal e o revólver de Eduardo Bolsonaro. Live 09/09/19

Desfile de 7 de setembro.

Momento triste com personagens que desconhecem o processo que levou à Independência do brasil.

Alguns mais pareciam personagens saídos de uma chanchada da Atlântida.

No palanque parte da “grande mídia” tão criticada por Bolsonaro: Rede Record e SBT.

Tal qual Lula, Bolsonaro não conseguiu transformar o 7 de setembro em uma festa popular.

Dudu Surfistinha armado no hospital: estímulo a violência.

Eduardo Bolsonaro armando em hospital ao visitar seu pai, o presidente, após a operação. Isto não é liberal e nem conservador. Isto é neofascismo.

Valentões? Bolsonaro quando foi assaltado, estava de moto e armado. Entregou ao assaltante a moto e o revólver.

Bienal do Rio de Janeiro: Crivella e as armas contra livros.

A Constituição é muito clara: é vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.

Os neofascistas querem  violência, tortura, ditadura e censura.

Eles são a minoria.

A maioria dos eleitores  que votaram em Bolsonaro não são neofascistas. Foi a eleição do medo da volta do PT.

Lava Toga e Flávio Bolsonaro.

Por que não querem CPI?

Vamos nos lembrar que Flávio Bolsonaro tem dívida com Dias Toffoli: COAF que estava chegando muito perto das relações de Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz, o homem do gabinete e as rachadinhas.

Queiroz empregou a ex-mulher e a mãe do miliciano Adriano no gabinete de Flávio Bolsonaro.

Quem tem medo de Fabrício Queiroz?

Se Bolsonaro fracassar volta o PT?

Claro que não! Este é o jogo do medo que fez o presidente vencer as eleições.

Para o PT não voltar precisamos construir alternativas democráticas.

Lula e Bolsonaro não gostam de democracia.

A polarização só é útil ao PT e a Bolsonaro, incompetentes na área econômica que deixam o país estagnado.

Agronegócio acordou : estão se afastando de Bolsonaro que coloca em risco a economia do país.

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.