Meu artigo na Istoé: “O isolamento de Bolsonaro”.

Jair Bolsonaro é produto de um fenômeno, o processo eleitoral de 2018. Nada indica que vá se repetir. Para se manter competitivo — já que tem a reeleição como ideia fixa —, ele deveria modificar radicalmente sua prática política, além de dar outro rumo ao governo. Certamente não fará uma coisa nem outra. Acredita que deve justamente fazer o contrário: intensificar a retórica belicista e aprofundar a ação econômica ultraconservadora. Desconsidera que é um caso único na história recente. Desde 1989 nenhum presidente perdeu tão rápido o capital político obtido na eleição. No caso de Bolsonaro, a tendência é que chegue ao final deste ano com um índice de reprovação superior a 50%, só para ficar naqueles que consideram seu governo ruim ou péssimo.

Como consequência, poucos serão os políticos que buscarão seu apoio nos principais colégios eleitorais do País para a eleição de 2020. A tendência é de intensificação do desgaste, o que fará Bolsonaro caminhar para o isolamento político. Mas, em vez de reconhecer seus erros, o mais provável é um aumento da estridência do discurso autoritário, o que levará o presidente a falar a cada dia — até para ocupar espaço no noticiário e demonstrar força — para menos adeptos. E esta relação inversa tensionará ainda mais a situação, com sérias consequências para o funcionamento do Estado democrático de direito.

O presidente Bolsonaro tem enorme dificuldade para conviver com a democracia. Não faz questão de esconder. Em um cenário de tensão crescente vai, com certeza, pressionar os meios de comunicação. Usará de todos os recursos possíveis. Jornalistas vão ser ameaçados e as redes sociais deverão funcionar abertamente como braços do autoritarismo neofascista, espalhando mentiras. É esta a sua forma de agir. Deverá atacar o Congresso Nacional e as cortes superiores de Justiça. Contudo, os maus resultados econômicos vão limitar sua ação. A radicalização vai produzir mais isolamento. Sem apoio popular, restará sonhar com uma intervenção militar. Vai perder. As Forças Armadas não vão embarcar em nenhuma aventura política.

O cenário é preocupante. Mais uma vez as instituições serão testadas. Pelo ritmo das contradições é provável que isto ocorra em breve, pois nada indica que Bolsonaro vá mudar. E será melhor para o Brasil. Um ciclo deverá se encerrar. Algumas alterações constitucionais no campo político vão nascer para dar maior solidez às instituições contra aventureiros simpáticos ao autoritarismo.

4 comentários sobre “Meu artigo na Istoé: “O isolamento de Bolsonaro”.

  • Muito bom seu texto.
    Votei no cara. Votei contra o PT.
    Mas nunca mais…
    E tenho medo do que pode vir…
    direitos de minorias serão atacados… o viés religioso, com a aproximação cada vez maior com evangélicos me assusta.
    E para piorar a economia está parada.
    Vamos aguardar e pedir proteção aos
    ORIXÁS….

    • Extremamente preocupante, ainda mais quando usa a religião e o divino para tentar trazer mais apoio à custa dos despossuídos e incautos.

  • Bom dia. Professor Villa na Isto É o senhor consta como comentarista da Jovem Pan ainda. Pra quem te acompanha desde sempre o Sr. agora esta na Rádio Bandeirantes. Bom Trabalho.

  • Será que teremos impeachment? Porque renunciar não vai. Triste Brasil, que esteve numa eleição gsngorra: ou PT ou neo-fascismo.

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.