“Por uma política externa independente.”

Os Estados Unidos estão fechando acordo com a China que prejudica o agronegócio brasileiro.

A política externa brasileira tem de defender os interesses nacionais e a nossa segurança nacional. E não estar a serviço de qualquer potência estrangeira ou de ideologias exóticas marcadas pelo extremismo..
Qual a prioridade para o presidente Bolsonaro em viajar aos Estados Unidos e Israel em um momento tão crucial como o da tramitação da Reforma da Previdência? E ir, neste momento, a Israel, qual a importância desta viagem?
A política externa não é um terreno de luta ideológica.Seria bom ler e conhecer a obra do Barão do Rio Branco.

7 comentários sobre ““Por uma política externa independente.”

  • Desculpe-me discordar ilustre professor – Mas,é óbvio que os tempos são outros,os personagens idem.Hoje,mais que nunca a tecnologia e o denominado “poder” das armas nucleares são destaques geopolíticos importantes.Quem não os tem.Tem que buscá-los.

  • Quem alia-se ao Estado de Israel NÃO PERDE JAMAIS!.Quem conhece a história dos hebreus dentro e fora da Bíblia reconhece esse fato.Um dos maiores historiadores, Flávio Josefo apresenta a história dos judeus(ou hebreus) e seu relacionamento com outros povos.

  • Saindo um pouco do importante assunto abordado acima.Tratando de outro ainda mais importante(não sei se no tempo do ilustre Barão do Rio Branco existia isso) DESEMBARGADOR de “justiça” EMBARGA as investigações envolvendo provável mandante do Adélio Bispo!!!.

  • A política externa do Brasil tem sido um desastre. Bolsonaro e Ernesto Araújo são dois malucos. Eles insistem na mudança da embaixada em Israel. O Brasil já está colhendo o fruto amargo dessa sandice – vide o caso da Arábia Saudita e o descredenciamento de 5 frigoríficos brasileiros.

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.