Meu artigo na ISTOÉ: Manobras não vão deter a crise política.

Diversamente de outros momentos da história do Brasil, quando a conciliação acabou impedindo a construção do novo, dessa vez não será tarefa fácil reconfigurar o bloco político que está – e pretende continuar ad eternum – no poder. A ativa participação da sociedade civil é o principal elemento complicador. E a presença das redes sociais, sempre vigilantes, construiu novas formas de participação política.

Meu artigo na ISTOÉ: “Quando o Carnaval passar.”

Da mesma forma como no impeachment de Dilma Rousseff, caberá às ruas o papel de principal protagonista. Em 2015 poucos acreditavam que o projeto criminoso seria apeado do poder. E foi. Agora, as delações da Odebrecht só produzirão resultados políticos com a pressão popular. A tentativa de um grande acordão, imoral, antirrepublicano, continua seduzindo a praça dos Três Poderes. Imaginam que o impeachment encerrou a crise política. Ledo engano. A crise está apenas no começo.