Deu na Folha de São Paulo (on line):

Justiça aceita queixa de Lula contra comentarista da TV Cultura

Ouvir o texto

O juiz André Carvalho e Silva de Almeida, da 30ª vara criminal da Justiça de São Paulo, aceitou a queixa-crime apresentada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra o comentarista da TV Cultura e historiador Marco Antônio Villa.

Com a decisão, Villa passa a ser réu na ação em que é acusado de de calúnia, injúria e difamação. No dia 20 de julho, Villa afirmou que o ex-presidente “mente, mente”, que é “culpado de tráfico de influência internacional”, além de “réu oculto do mensalão”, “chefe do petrolão”, “chefe da quadrilha” e teria organizado “todos os esquemas de corrupção”.

Advogado de Villa, Luís Francisco Carvalho Filho, afirmou que estuda entrar com habeas corpus por falta de justa causa. O advogado diz ainda que “Villa limitou-se a exercer o direito de crítica”.

“Acho constrangedor que um ex-presidente da República revele intolerância e se disponha a operar contra a liberdade de expressão no Brasil”.

Procurado, Villa afirmou que se manifestaria por intermédio do advogado. No dia 19 de novembro, os dois foram ao Fórum de São Paulo para uma tentativa de conciliação.

Na edição de segunda-feira (23) do Jornal da Cultura, Marco Antonio Villa comentou o episódio: “Cheguei sozinho (ao Fórum), entrei e saí pela porta da frente. Ele (Lula) entrou e saiu pela porta dos fundos, cercado por um batalhão de seguranças”, disse Villa, registrando em seu blog ter reafirmado tudo o que dissera.

Lula afirmou, por intermédio de sua assessoria, que não operou contra o direito de expressão, mas exerceu um direito legal.

“O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não operou contra o direito de expressão. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, simplesmente, exerceu o direito legal de entrar na Justiça contra alguém que repetidamente se usa de uma TV paga pelo contribuinte paulista para ofendê-lo”, diz a nota do Instituto Lula.