Papa não deve trabalhar

com rancores nacionais

em seus discursos.

Para Villa, o papa deve tomar cuidado ao adentrar assuntos específicos da história dos países e, sobretudo, deveria prezar prelo aspecto espiritual e religioso em seus discursos.