“STF mantém decisão que autoriza prisão após condenação na segunda instância.”