Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Uma boa notícia:
“Dilma Rousseff e auxiliares ficaram os últimos dias sem dinheiro para comprar comida para o Alvorada. O chamado “cartão de suprimento” foi cortado pela equipe de Temer na quarta (1º). Os recursos garantiam o abastecimento da despensa da presidente afastada e custeavam a manutenção do palácio. Procurada, a Secretaria de Governo reconheceu a suspensão, mas informou que se trata de uma “interrupção provisória” até receber parecer jurídico sobre os direitos de Dilma.
O Planalto informou na noite de sexta que Dilma já estava liberada para compras. Além dela, circulam no Alvorada cerca de 30 pessoas, entre servidores do gabinete e funcionários que fazem a manutenção da residência oficial.
Segundo assessores, Dilma ficou furibunda com o corte do “cartão alimentação” e criticou a equipe de Temer pela “mesquinharia”. (Folha de S. Paulo)
Em tempo: não há norma, decreto, lei ou dispositivo constitucional que dê a Dilma todas estas regalias, além dos deslocamentos por um dos aviões que servem à Presidência da República (que, segundo notícia de hoje, só vai levá-la na rota Brasília-Porto Alegre-Brasília). A “base legal” é uma simples resolução do Senado de autoria de Renan. Só, nada mais. E a Justiça, vai agir?