O historiador Marco Antonio Villa fala sobre seu novo livro “Collor Presidente: Trinta meses de turbulências, reformas, intrigas e corrupção”, que não é uma biografia e sim um estudo de história política, com foco na gestão presidencial de Fernando Collor de Mello, de 15 de março de 1990 a 2 de outubro de 1992.
Compara o seu trabalho de historiador como o de um “verdadeiro arqueólogo da política, que tem de efetuar cuidadosos cortes estratigráficos e evitar que a predominância de uma das camadas acabe impossibilitando a compreensão do todo.”